segunda-feira, 4 de julho de 2011

Wendy e a fada da Universidade pública

À esquerda da imagem o professor Armando de Lucas da Universidade Complutense de Madri, à direita Wendy Macêdo, aluna de Letras da UFPA faz a tradução. O tema é a viagem de Orellana.
Wendy vestia uma roupa de festa. Antes de começar, como jogador que entra em campo, se benzeu, não podia errar perante o Embaixador da Espanha, de conselheiros da embaixada, de pro-reitores, de professores.
No inicio estava nervosa, depois confiança adquirida foi dominando a situação e ao final, apoderou-se da cena e recitou Fernando Pessoa, anunciou: era o dia dos seus 123 anos.
Descendo do palco, comemorou com seu colega como quem venceu o campeonato.
Para quem faz da profissão universitária quase uma religião o fato é extraordinário e reforça a convicção de que a universidade pública será uma janela de oportunidades para milhões de brasileirinhos que como Wendy, em futuro bem próximo, vão se destacar no cenário profissional, em todos os campos do conhecimento.
Apenas uma preocupação, que ascendendo socialmente esqueçam suas origens, cometam uma traição de classe, e se tornem preconceituosos e descompromissados com os aqueles de sua mesma origem social (irmãos-iguais) que estejam precisando de oportunidades de inclusão.
Esta festejada Classe C em ascensão tem que ter consciência de classe, tem saber que os momentos de inclusão que vivem foram fruto de políticas de compromisso social conquistadas pela geração de seus pais que colocou na agenda do Brasil a questão do crescimento com inclusão social.
Eles não podem se festejar, como quer o mercado e a grande mídia, apenas como consumidores de mercadorias, eles tem que ter outros compromissos, eles têm que ter os compromissos, ainda não cumpridos, com as Luzes do Humanismo.

6 comentários:

  1. Fico emocionada quando vejo um (a) aluno (a) tomando confiança e seguindo o caminho que escolheu, com garra e esperança. Comemoro, intimamente, com cada um deles, que superam as tantas dificuldades da origem social e do estigma étnico ou de gênero.
    Concordo com vc que, muitos deles, esquecem de sua origem e se tornam arrogantes e preconceituosos. O bom é que são poucos os que agem assim. Parabéns para Wendy pela superação e para vc, pelo belo post.
    www.diariodeumamulherdespeitada.wordpress.com

    ResponderExcluir
  2. Parabéns a Wendy, por fazer a diferença e não se acomodar diante das dificuldades mostrando que é possível se dstacar.
    Parabéns ao profº Flávio pela sensibilidade.

    ResponderExcluir
  3. José Mª González6 de julho de 2011 02:53

    Enhorabuena a Wehndy y felicidades al profesor Flávio por su acierto al destacar la experiencia tan bonita que tuvo Wendy en el seminario de Orellana. Yo estuve allí fui, uno de los profesores españoles, y quiero destacar además el excelente trabajo realizado por ella y por Clayton en el Centro de Recursos Didácticos de España, y agradecerles su apoyo y amabilidad.

    ResponderExcluir
  4. Tive o privilégio de trabalhar com Wendy e tê-la como bolsista durante ano e médio e aprendi muito com ela: ela me transmitiu o imenso amor que sente pela sua terra, o orgulho de ser brasileira e, sobre tudo, paraense. Fico-lhe muito grata por me ter ensinado a ver, compreender e amar o Brasil através dos olhos dela.
    Estudantes como ela, ávidos de conhecimento e com tanta vontade de aprender, são um orgulho para a UFPA.
    Parabéns para Wendy e para o professor Nassar pelo belo texto e por esse merecido reconhecimento.

    ResponderExcluir
  5. Alba Lúcia de López6 de julho de 2011 18:50

    Parabéns Wendy! Você merece! Obrigada prof. Nassar por suas palavras e que continue acertando ao eleger gente como a gente, que luta com seriedade e vai em busca de seus ideais e estuda e aprende com vontade de vencer.
    Que venham mais eventos e nossos alunos possam mostrar que o idioma de Cervantes é um desafio que venceram e que no futuro serão profissionais bem qualificados e felizes.

    ResponderExcluir
  6. Armando de Lucas (desde Madrid con cariño a todos los amigos)7 de julho de 2011 14:14

    Querido profesor Nassar, fué muy importante para nosotros, estar en su Universidad en Belém, ante tan buenos colegas (Brasileños y españoles), alumnos y asistentes al centenario de Orellana.
    Gracias por referirse a Wendy y a Michelle y me siento muy honrado de haberlos podido destacar de esta manera en una ocasión tan importante para todos. Sugiero que ya y para siempre, cuando haya conferenciantes en español, sirva este ejemplo para que se haga traducción al portugués de Brasil que tanto nos gusta y respetamos los españoles. No demos por supuesto que los idiomas se entienden porque la sensibilidad de las palabras tiene que llegar a las personas en su idioma, con toda su fuerza. Espero, querido profesor Nassar y profesores de la universidad de Belém que esta iniciativa de nuestro Embajador Señor Carlos Alonso Zaldívar y ustedes se pueda repetir en el futuro cercano. Estamos muy contentos de haberlos conocido y formar parte de este grupo que ha supuesto el reconocimiento de Brasil y España a través de Orellana del Río Grande de Las Amazonas y Belém do Pará.

    Nota: Por Favor, contacten con Wendy y Michelle para traducir este texto. Y que nos escriban ya que no sabemos nada de ellos desde que son famosos...

    Nota: Entre em contato com Wendy e Michelle para traduzir este texto. E escreva-nos e não sabemos nada deles, uma vez que são famosos ...

    Muito Obrigado

    Dr. Armando de Lucas

    ResponderExcluir